Belo Horizonte, domingo, 17 DE novembro DE 2019
O melhor jornal de bairro de Belo Horizonte.

TODOS JUNTOS EM PROL DA SAÚDE DA MULHER


            A vida em cor de rosa. Outubro chegou e junto com ele a campanha de cores de maior impacto no ano. O movimento Outubro Rosa, criado há mais de duas décadas, alerta as mulheres para prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama e câncer do colo do útero, promovendo a conscientização sobre as doenças, proporcionando maior acesso aos serviços de diagnóstico e contribuindo para a redução da mortalidade.

            O câncer de mama é hoje um relevante problema de saúde pública. É a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. De acordo com as últimas estatísticas da Globocan, realizadas em 2018, foram estimados 2,1 milhões de casos novos de câncer de mama e 627 mil óbitos pela doença. No Brasil, as estimativas de incidência de câncer de mama para até o fim deste ano 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% dos cânceres em mulheres.

            Médica-ginecologista da Clínica Cuidati, aqui no Buritis, Carolina Guedes diz que a campanha Outubro Rosa pode ser considerada um marco. Ao incentivar a realização do autoexame e da mamografia, amplia a possibilidade de um diagnóstico precoce e com isso aumenta as chances de cura. Isso é possível, pois atualmente o diagnóstico e o tratamento têm sido aprimorados rapidamente em razão de um melhor conhecimento da história natural da doença e das características moleculares do tumor, assim como também houve melhoria na qualidade do exame de rastreamento, a mamografia. "Quanto mais cedo um tumor invasivo é detectado e o tratamento iniciado, maior a probabilidade de cura".

            Apesar do sucesso do Outubro Rosa, ainda há muito o que melhorar no Brasil quando o assunto é o tratamento da doença. De acordo com a também médica-ginecologista da Cuidati, Juliana Silviano, existe um intervalo de tempo muito grande entre o diagnóstico do câncer de mama e o início do tratamento. "Ainda são necessárias políticas públicas para melhoria na eficiência da divulgação da campanha, para que essa atinja a população menos favorecida de recursos e de educação".

            Até a década de 80, ações governamentais eram restritas ao tratamento e a algumas iniciativas pontuais relacionadas à prevenção. Esse cenário começou a mudar com a inclusão do tema como parte das ações de atenção integral à saúde da mulher, no ano de 1984. O impulso maior se deu à partir do ano 2000 com a elaboração da primeira diretriz nacional com orientações sobre cuidado com o câncer de mama, quando foram estabelecidos incentivos financeiros de custeio e investimento em serviços aptos para o diagnóstico do câncer de mama.

"O poder público pode ampliar o acesso ao rastreamento, pode melhorar a qualidade da mamografia, pode incentivar o diagnóstico precoce através de campanhas, com comunicação e mobilização social. O governo pode ainda oferecer tratamento oportuno e de qualidade, além de melhorar a capacitação dos profissionais", reivindica Juliana.

    

O melhor jornal de bairro de Belo Horizonte.

CONTATO

(31) 2127-2428 / (31) 99128-6880
Av. Prof. Mário Werneck, 1360, Lj 401 F, 4º andar, Shopping Paragem, Bairro Buritis - BH/MG
CEP30455-610 E-mail contato@jornaldoburitis.com.br

       
© 2018 Jornal do Buritis. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por SITEFOX