Belo Horizonte, terça-feira, 28 DE setembro DE 2021
O melhor jornal de bairro de Belo Horizonte.

ALÉM DE AMOR, ADOTAR UM ANIMAL É UM ATO DE RESPONSABILIDADE


Publicado em 09/09/2021

          A capa do JORNAL DO BURITIS de agosto trouxe como matéria principal o recorde de adoções de cães em situação de rua acolhidos pelo Buri Dogs no mês de julho. No total, foram 25 peludinhos que tiveram a felicidade de encontrar um lar para chamarem de seu. Infelizmente, em contraponto a esta boa notícia, recentemente nos deparamos com a triste história do Tigrão, que foi devolvido ao grupo, após a rejeição da família que o adotou em apenas 24 horas de convivência.

           A adoção é o grande objetivo dos voluntários que lutam pela causa animal. Contudo, esta deve ser responsável, tendo o adotante a ciência de todas as dificuldades que terá pela frente ao levar para sua casa um animal que passou por tanto sofrimento em sua vida. E os protetores fazem sua parte para que isto aconteça.

           Voluntária do Buri Dogs, Christiane Simões é uma das responsáveis em fazer as entrevistas com possíveis adotantes de um cãozinho. De acordo com ela, durante a entrevista busca junto aos interessados conhecer o seu perfil e analisar se o animal que será adotado o atende. “Essa avaliação é muito importante para não termos devoluções, pois para os animais é um estresse e sofrimento enorme. Eles já conhecem o desprezo e as maldades das ruas e não queremos que nunca mais sintam isso. São muito sensíveis e sensitivos, ficam muito tristes e não entendem aquele movimento de vai e volta”.

            Christiane faz questão de ressaltar o quanto gosta de fazer as entrevistas, mesmo que isto ocupe muito do seu tempo. “Eu quero que nossos doguinhos encontrem a família definitiva que o amará, respeitará e cuidará por todos os anos que viverem”.

            De acordo com a protetora, o caso do Tigrão retratou exatamente o despreparo da adoção de algumas pessoas, porque com 24 horas ninguém, nem mesmo o ser humano, consegue se adaptar à nada. “Já tive exemplo de uma pessoa que quis devolver um cão adotado, mas insisti que ele tentasse mais um pouco. Hoje, esta pessoa me agradece muito pelo que eu fiz e que o patudinho é uma das grandes alegrias de sua vida”.

Grande exemplo

            Em quase dois anos de Buri Dogs, 95% das adoções foram para famílias maravilhosas que dão aos cãezinhos tudo o que merecem. E alguns exemplos são marcantes, como o caso do Toddynho.

           No ano passado, a família da advogada Fernanda de Almeida, moradora na Rua Ernani Agrícola, estava em busca de um cão de pequeno porte. Como já seguia a página do Buri Dogs, começou a pesquisar as opções. À época, o Toddynho, que tem apenas três patas e leishmaniose, foi resgatado em péssimas condições e Fernanda participou da campanha para tratá-lo. Ela queria ficar com o cãozinho, porém, ele não era de pequeno porte, como a família desejava. Quando Toddynho recebeu alta da clínica veterinária e foi para um lar temporário, a advogada seguiu acompanhando e conversando com o marido sobre adotá-lo. A essa altura seus filhos também já queriam muito ficar com ele.

           Poucos dias depois a responsável pelo lar temporário que Toddynho estava iria viajar e precisava que alguém ficasse com ele por uma semana. Na mesma hora a família de Fernanda se disponibilizou.  Assim que chegaram em casa com o cãozinho já tinha a certeza que ele faria parte da sua família. “15 minutos depois eu já estava ligando para as meninas do Buri Dogs para informar sobre a adoção”.

           A advogada conta o que a motivou a adotar um animal deficiente. ”A princípio, foi mesmo a solidariedade. Eu acompanhei o resgate e a campanha do Toddynho. Ele sofreu muito e não somente pela amputação. Estava desnutrido, precisou de transfusão de sangue para suportar a cirurgia e corria risco de morrer. Era um olhar de partir o coração”. E a decisão não foi nada fácil! Por ser positivado para leishmaniose, a família tinha o receio do organismo de Toddynho não reagir ou mesmo não suportar o tratamento. “Tínhamos nossos receios, mas a crença de que ele merecia viver e ser feliz foi o nosso maior incentivo. Quanto à deficiência física, isso nunca foi problema para nós, pois ele é perfeito como é. Sinto que está muito adaptado e feliz, o que nos fez descartar a possibilidade de colocação de prótese. Enfrentamos tudo isso com união e amor”.

            A moradora da Ernani Agrícola lembra com muito carinho e alegria o dia em que a dona do lar temporário foi à sua casa para resgatar o Toddynho. “Peguei meu marido pesquisando na internet sobre prótese para cães. Ali vi que ele já fazia parte da família e não iria embora nunca mais (risos)“.

            Toddynho é um dos cães que está sempre em contato com Christiane. Isso mesmo! Ela conversa com todos os seus dogs resgatados e promete a cada um deles que fará de tudo para que sejam felizes. “E eles me entendem, porque olho nos seus olhos e vejo a confiança e gratidão. E é esse sentimento que desejo que tenha com o adotante”.

            Em relação ao Tigrão, que ainda busca um final feliz como o Toddynho, ele segue sendo cuidado pelo Buri Dogs e à espera de um lar que, verdadeiramente, irá chamar de seu.

O melhor jornal de bairro de Belo Horizonte.

CONTATO

(31) 2127-2428 / (31) 99128-6880
Av. Prof. Mário Werneck, 1360, Lj 401 F, 4º andar, Shopping Paragem, Bairro Buritis - BH/MG
CEP30455-610 E-mail contato@jornaldoburitis.com.br

       
© 2018 Jornal do Buritis. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por SITEFOX

(31) 99128-6880