› Home  › Notícias  › Notícia

TESTE DO OUVIDINHO

TESTE DO OUVIDINHO: OBRIGATÓRIO

E GRATUITO  EM TODO BRASIL


Exame que detecta precocemente alguns problemas auditivos já é executado em Belo Horizonte desde 2006 através de lei de vereador
 

Uma boa notícia para papais e mamães do Buritis que têm recém-nascidos ou terão filhos nos próximos meses. Em agosto do ano passado o presidente Lula sancionou o Projeto de Lei 3842/97, do ex-deputado Inácio Arruda (PCdoB-CE), hoje senador, que torna obrigatória e gratuita a realização do exame denominado Emissões Otoacústicas Evocadas, conhecido como “teste do ouvidinho”, em todos os hospitais e maternidades do país, nas crianças nascidas em suas dependências.


Essa lei vem beneficiar todos os brasileiros, porém aqui na capital mineira ela já atende à população desde 2006 quando um dos mais importantes projetos votados pela Câmara Municipal foi de autoria do Vereador Ronaldo Gontijo (PPS). O até então projeto virou a Lei 9219/06, que dispõe sobre a prevenção de deficiência em recém-nascidos. Em termos práticos a lei diz que o município está obrigado a realizar, no prazo máximo de 30 (trinta) dias após o parto, a Triagem Auditiva Neonatal – mais conhecida como Teste do Ouvidinho – em crianças nascidas em suas unidades de saúde.


Um teste simples, indolor e rápido que é fundamental para o desenvolvimento saudável do bebê. Este exame detecta deficiências auditivas no recém nascido que mereça encaminhamento para um especialista. É fundamental que a intervenção seja feita para que haja maior chance da criança ter sua audição melhorada ou curada, e não comprometer o desenvolvimento da fala e da linguagem que dependem muito da audição adequada.


“É obrigação do município, no âmbito do Sistema Único de Saúde, prevenir deficiências, bem como tratar e reabilitar os portadores. O Teste do Ouvidinho aumenta as possibilidades de otimizar o potencial da linguagem da criança, de tratamento de uma suposta enfermidade, além de diminuir a carga econômica imposta pela deficiência auditiva”, afirma o Vereador Ronaldo Gontijo.


Durante o exame, uma pequena sonda é colocada em cada ouvido do recém-nascido. O aparelho, pequeno e parecido com um fone, emite um som que estimula o ouvido saudável a produzir um ruído em resposta. Se isso acontece, o bebê é aprovado no teste. Se esse teste indicar algum tipo de comprometimento da audição, ele é refeito e, em seguida, é investigada a causa do problema.


O Vereador Ronaldo Gontijo explica a importância do teste. “A realização da triagem auditiva neonatal de rotina é a única estratégia capaz de detectar precocemente alterações auditivas que poderão interferir no desenvolvimento futuro de seu bebê. A deficiência auditiva acarreta problemas de sociabilidade e de alfabetização. Além disso, qualquer redução na capacidade auditiva impede que a criança receba adequadamente as informações sonoras que são básicas para a aquisição da linguagem. E os primeiros 6 meses de vida são decisivos para o desenvolvimento da criança deficiente auditiva”, finaliza.
 
BATE BOLA SOBRE O TESTE DA ORELHINHA


1 - O que é o Teste da Orelhinha?
É um exame de triagem auditiva que pode detectar precocemente se o bebê tem algum problema de audição. É indicado por instituições do mundo todo para diagnóstico precoce de perda auditiva. Qualquer bebê recém-nascido pode apresentar um problema auditivo no nascimento ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida. Isto pode acontecer mesmo que não haja casos de surdez na família ou nenhum fator de risco.


2 - Por que este teste é importante?A realização da triagem auditiva neonatal de rotina é a única estratégia capaz de detectar precocemente alterações auditivas que poderão interferir no desenvolvimento futuro de seu bebê. A deficiência auditiva acarreta problemas de sociabilidade e de alfabetização. Além disso, qualquer redução na capacidade auditiva impede que a criança receba adequadamente as informações sonoras que são básicas para a aquisição da linguagem. E os primeiros 6 meses de vida são decisivos para o desenvolvimento da criança deficiente auditiva.A deficiência auditiva atinge três a cada mil crianças no país.

3 - Como é feito este teste? Dói?
O teste da orelhinha é feito facilmente e em poucos minutos, é indolor, não é invasivo e tem baixo custo. Consiste na produção de um estímulo sonoro e na captação do seu retorno (eco), sendo então emitido um gráfico com o resultado do exame. É feito com a colocação de um fone externamente na orelha do bebê.

4 - Quando o teste deve ser realizado?
De preferência no primeiro mês de vida, mas ele pode ser realizado em qualquer idade. É mais fácil e rápido fazer o teste quanto mais novo for o bebê.

5 - Se o resultado for insatisfatório significa que o bebê é surdo?
Não. O teste pode falhar por vários motivos e, neste caso, é importante refazer o teste. Quando houver suspeita de deficiência auditiva, a criança deverá ser encaminhada para avaliação otológica e audiológica completas, pois outros exames complementares são feitos antes de se confirmar a deficiência.

6 - Se o resultado for satisfatório não preciso mais me preocupar e não preciso mais repeti-lo?
Depende. Se a criança apresentar algum risco para perda posterior ao nascimento, a avaliação audiológica deve ser repetida.


7 - Quais são estes riscos para perda de audição na criança maior?
História familiar de surdez na infância, algumas infecções, como a meningite, traumatismo craniano, otite média recorrente, algumas doenças degenerativas.

8 - Quem realiza este exame no meu bebê?
Os fonoaudiólogos e audiologistas são os profissionais habilitados à realização do exame.


9 - É preciso algum cuidado especial para fazer o exame?
O bebê precisa estar em bom estado geral, sem resfriados, otites, febres, outras situações que afetem seu bem-estar. O ideal é que esteja tranqüilo no momento do exame. Amamentá-lo minutos antes do teste ajuda a acalmá-lo. Para bebês que forem vacinar no dia do teste da orelhinha, o teste deve ser feito antes da vacina.

 
 

Rua Cristiano Moreira Sales, 150, Sala 810, Bairro Estoril - Belo Horizonte - Minas Gerais. CEP: 30.494-360. Telefones: (31) 2127-2428 / (31) 99128-6880