› Home  › Notícias  › Notícia

Garantia de ir e voltar

Garantia de ir e voltar
 
Manutenção de prevenção de veículos pode evitar grandes problemas financeiros durante viagens, além de ser imprescindível para a segurança  
 
Julho é mês de férias escolares e muitos pais aproveitam a data para reunir a família e pegar a estrada. Como essas férias são mais curtas, os grandes passeios internacionais e, até mesmo, os nacionais com pacotes aéreos, muitas vezes dão lugar às viagens menores, mais baratas e de carro. E se o assunto é economia, vários cuidados devem ser tomados para que a viagem não fique indigestamente mais cara e se transforme em um pesadelo. Ou ainda pior, que a viagem não vire uma tragédia com o risco de acidentes por problemas mecânicos e elétricos.
 
Para evitar isso a dica é simples. A revisão em quesitos básicos dos carros pode evitar grandes transtornos. Segundo Érick Silveira, responsável técnico da Prime Pneus, a despesa preventiva é o gasto mais econômico que existe. “Nós temos que pensar primeiro na segurança. A manutenção preventiva dos veículos tem, acima de tudo, a intenção de prevenir acidentes por falhas mecânicas e elétricas. É mesmo cuidar da vida. Por outro lado, pra quem pensa que a revisão é gastar dinheiro à toa, podem ter certeza que é o gasto mais barato que vai ter com o carro. Porque uma peça, por exemplo, a correia dentada, que custa de R$50 a R$100, dependendo do carro, pode causar um prejuízo em torno de R$500 a R$1mil, dependendo do estrago que ela provocar, caso arrebente com o carro em circulação”, explica.
 
No caso da correia dentada o prejuízo é somente financeiro, já que o único efeito que provoca no veículo é travar o motor impedindo que o carro funcione. Mas outras peças bem menores e mais baratas dos carros podem provocar problemas mais sérios. Os freios, parte elétrica e suspensão, por exemplo, podem causar acidentes gravíssimos. “Seja por falta de conhecimento ou desleixo, praticamente todo mundo faz a manutenção corretiva, quando escutam um barulho estranho, quando sentem que o carro está desregulado de alguma forma. Mas essa manutenção, além de ser mais cara, não é correta porque grande parte dos problemas nós não sentimos. O freio, por exemplo, muitas vezes você vê que ele não está bom quando para de funcionar. E isso pode ser fatal”, relata Érick.
 
Outro erro que também acontece, segundo Erick, mesmo neste período de férias ser comum os motoristas procurarem fazer a revisão de veículos, é que esta manutenção preventiva deve ser feita de acordo com a quilometragem do veículo e não por se tratar de uma época em que eles rodam mais. “Neste período há um aumento muito grande na procura por revisões. Com isso, em algumas oficinas, o serviço pode não ser feito com perfeição, justamente pela correria em entregar o carro a tempo para a viagem. Há ainda aqueles locais que não são idôneos que podem aproveitar o desespero do proprietário e quererem cobrar mais caro. Por isso, é importante também que o local para se fazer a revisão seja de inteira confiança”, destaca o técnico.
 
E a dica ideal é mesmo ter o controle de todo o carro, saber o que cada fabricante recomenda, a quilometragem ideal para cada peça e, principalmente, guardar comprovantes para que proprietários saibam quando cada peça foi trocada. “A revisão de verificação é quando o mecânico olha as peças que estão com problemas. Mas muitas vezes as peças estão em bom estado, porém no limite de vida útil recomendado pela fabricante. Por exemplo, um rolamento, se o fabricante recomenda trocá-lo com 50 mil quilômetros, e o carro está no limite, é bom trocar a peça antes de pegar a estrada”, explica o sócio-proprietário da Prime Pneus, Wilson Fortuna.
 
Mas no topo da lista dos itens de segurança ainda estão os pneus. Segundo Érick Silveira, nenhum outro item é tão primordial para o bom desempenho do veículo e para evitar acidentes. Mais uma vez é importante seguir o que determina o fabricante. Os pneus devem estar dentro das especificações do que é recomendado para cada veículo. Tem que respeitar o ‘Índice de Performance e Carga’. O pneu é o item de segurança número 1 e para o veículo rodar bem, é preciso que ele esteja bom, para cumprir o que promete.
 
“Outra questão que é um mito é que o pneu bom deve ficar na frente. Na verdade, os bons devem ficar na traseira. Quando os pneus bons estão na frente a sensação de controle e dirigibilidade é maior, mas para maior estabilidade eles devem estar na traseira. O alinhamento é outro fator importante, não só para durabilidade dos pneus, mas também para estabilidade, aderência e uma performance adequada. São cuidados que se tomados devidamente garantem a segurança do veículo e uma viagem tranquila”, conclui o técnico.
 
Conserve seu carro
 
5 mil km – recomenda-se a troca de óleo e o filtro de óleo  
6 mil km – recomenda-se o alinhamento, balanceamento e rodízio de pneus
50 mil km – vida útil dos pneus usados corretamente
10 mil km – recomenda-se a revisão dos freios
30 mil km – recomenda-se a troca da correia dentada
Sempre – verificar calibragem e estado dos pneus, freios, lanternas e faróis 

 
 

Rua Cristiano Moreira Sales, 150, Sala 810, Bairro Estoril - Belo Horizonte - Minas Gerais. CEP: 30.494-360. Telefones: (31) 2127-2428 / (31) 99128-6880